Paulo César de Assis Filho

por Angela Rossi
Seu nome? 
Paulo César de Assis Filho. 
E como os amigos te chamam? 
Encurtam para Paulo, retiram o composto. 
Profissão? 
Advogado. 
Ponto forte e ponto fraco? 
Ponto forte, a resiliência nas coisas que me proponho a fazer. Fraco, a teimosia, talvez. 
De onde veio seu gosto pela profissão que exerce? 
Com certeza por indução familiar. Meu pai sempre esteve nas trincheiras dos tribunais. Um excelente e exemplar advogado goiano.
Um medo?
Perder a essência e a simplicidade das coisas que realmente importam na vida, porque muitos se deixam levar. Também tenho medo de perder pessoas amadas, esse, todavia, inevitável para todos nós.
Uma mania?
Consumir muitas notícias (políticas e jurídicas, principalmente), verificá-las, debatê-las e, se falsas, confrontá-las. Tenho páginas virtuais e jornais que confiro praticamente todos os dias, a todo momento, isto é, quando não estou peticionando.
De quem você é fã?
Do justo, seja ele inclusive um desafeto. Nesses tempos de crises, aprendi muito a ver coisas boas em muitas pessoas. Todo mundo tem um lado humanista e dedicado ao afeto, seja ele pessoal ou profissional. Existem muitas pessoas a quem me caberia um aplauso.
Fico feliz quando…
Vejo mudanças boas e significativas na sociedade; quando vejo o povo, em geral, mudando prioridades banais por coisas mais sérias e profundas, isso me alegra; quando vejo a derrota da mediocridade, seja lá em qual assunto for, isso me deixa bastante feliz também, sobretudo nos jovens mais sensíveis às causas políticas e sociais.
Seu grande sonho?
Sinceramente, é viver uma vida sem grandes desejos supérfluos, conquistando e vencendo as pequenas batalhas diárias. Aos poucos, vamos notando que os “grandes sonhos”, na verdade, são as pequenas alegrias que somos permitidos vivenciar.
Uma viagem que fez e recomenda?
Vá para uma fazendinha bem simples, um sitiozinho que seja, um refúgio. Não existe CEP perfeito. Tudo depende do estado de espírito. Leve livros e um quilo de café. As melhores viagens não têm muita distância. Esteja perto de quem ama e Paris vem a você.
Um desafio?
Vencer a zona de conforto sempre que QUALQUER desafio, seja ele qual for, me confrontar de frente. Digo isso, porque 99% dos desafios não passam dessa fase! Se vencer esta zona, você já caminhou 50%.
Que notícia você gostaria de ler ou ouvir?
“Não se pode mais retirar direitos dos menos favorecidos.”
Pra quem você daria nora 10 e nota 0?
ZERO, aos que levantaram a bandeira do ódio, esta onda insana que banhou o Brasil; e, nota DEZ, aos homens e mulheres que erguem a voz, todos os dias, contra o fascismo embrionário que teima em querer nascer no ventre da pátria.
O que te deixa louco(a) da vida?
O desleixo do país com a coisa pública; a falta de respeito com o que é do povo.
Qual assunto você já não aguenta mais?
A desinformação intencional, que é um crime triste que o povo vem sofrendo e sendo vítima. Todos os assuntos que provém dela eu já não suporto mais.
O que mais gosta em você?
Facilidade de comunicação com as pessoas. Eu gosto e reconheço essa qualidade em mim.
O que é uma prova de amor pra você?
Sentir a dor do outro, de verdade. Se colocar na situação alheia, com certeza é uma prova de amor. O amor não é apenas o romântico, o amor relacional também faz evoluir.
Para relaxar, nada melhor que…
Sentar debaixo de uma árvore fresca, em uma cadeira de fio, com um chinelo no pé, olhando a natureza. Esse é meu ápice.
Uma frase que te inspira?
Se não quer ser criticado, não faça nada, não fale nada e também não tente nada!
Sua cor favorita?
Acho que são lindas demais para a redução no singular.
Música boa mesmo é…
Qualquer uma que te faça dançar ou sorrir. Tem momento pra tudo.
Um livro ou um filme?
Livro, Homo Sapiens. Sobre os filmes, têm inúmeros muito bons, mas gosto mesmo são dos documentários.
O que você escreveria numa camiseta?
“Se não sabe, cale-se”! Às vezes podemos ser bons poetas de boca fechada. O mundo anda cheio de gente que sabe de menos e fala demais.
Maior presente que ganhou na vida?
Uma sobrinha, ela está por vir, estou muito feliz. Mas também ganhei as pessoas que amo e admiro.
Para quem você faria uma homenagem especial?
A todo pessoal da área da saúde, sem dúvida. Estão enfrentando a PANDEMIA do corona vírus com muito afinco, apesar da escassez geral de equipamentos. Eu nunca pude imaginar o quanto temos pessoas fortes e destemidas nesse país e nessa cidade. Eu gostaria de homenagear, em especial, as enfermeiras e o pessoal técnico. Se eu pudesse, e sei que não posso, abraçaria uma por uma e diria: OBRIGADO! Muitas das vezes não levam os créditos, e eu gostaria de enfatizar que eu, pessoalmente, acho que vocês são anjos protetores de almas.
Como você se vê daqui 10 anos?
Pai
Se você pudesse mudar uma coisa no mundo, o que seria?
Uma resposta bem utópica: humanizaria o capitalismo e obrigaria os governos a partilharem as riquezas produzidas de uma forma mais igualitária. A pobreza é a raiz de todos os males, de criminalidade a injustiças.
Deus pra mim é…
10

1 Comentário

Jacques custeou 15 de abril de 2020 - 16:21

Meu primo e amigo de infância, grande ser humano de grande coração, todo exemplo por ele seguido que veio de berço, uma família grande e de um imenso coração. Parabéns meu primo, sucesso sempre

Responder

O que achou? Participe. Deixe seu comentário.