“A crise trouxe grandes oportunidades. Há muitos anos ajudo as marcas a se diferenciarem no mercado, mas agora, mais do que nunca, as empresas que ainda copiam ou reproduzem o que seus concorrentes fazem não sobreviverão no mercado”. É esse papo empoderador e mente aberta que transformou Pedro Superti no profissional mais requisitado do Marketing de Diferenciação e um sucesso absoluto do empreendedorismo nas redes sociais, com quase 800 mil seguidores no Facebook, 632 mil seguidores no Instagram, 202 mil assinantes via e-mail e 15 milhões de visualizações em vídeos onde o mentor compartilha dicas e experiências para quem está disposto a fazer a diferença no mercado.

Superti define de forma muito prática o Marketing de Diferenciação: “é o marketing voltado para que as empresas se posicionem de maneira diferente e se destaquem para sair da guerra de preços e da concorrência predatória. O Marketing de Diferenciação ajuda empresários a se posicionarem como líderes de seus mercados e faz com que suas marcas se transformem em um movimento com clientes fiéis e fãs para a vida inteira. Mas a diferenciação não é apenas sobre ser diferente, é sobre ser surpreendente. Isso é, ser diferente de um jeito que o cliente queria, mas não esperava”.

Em mais de 20 anos de experiência, Superti já ajudou mais de dez mil clientes a dominarem o mercado usando técnicas de posicionamento que geraram mais de R$700 milhões em vendas diretas. “Ensino a venderem não apenas um produto ou serviço, mas sim um propósito e como tornar a concorrência irrelevante. Acredito que por meio do empreendedorismo é possível mudar a vida das pessoas e fazer do mundo um lugar melhor”, diz. E, em meio a crise sanitária e econômica sem precedentes, o especialista analisa o cenário de modo muito otimista e motivador. “Acho que a ‘coronacrise’ – termo que utilizo para me referir à pandemia – é uma das maiores crises, senão a maior, que o mundo já viveu. Ninguém estava preparado para isso e ela pegou muitos empreendedores em cheio. Negócios de vários segmentos deixaram de existir, mas por outro lado novos nasceram impulsionados pelas novas demandas do consumidor, que ainda vive um momento de grandes transformações na forma de consumir”.

“Comparo a crise a um tsunami, que é resultado da movimentação das placas tectônicas da Terra. É o alinhamento de algo que esteve desalinhado por tempo demais. Quando o tsunami passa, leva tudo, mas sempre nos traz algo de bom. Na vida, nada se perde. Ou eu ganho, ou eu aprendo. É uma oportunidade valiosa para o empreendedor refletir os motivos pelos quais a crise bateu na porta dele. Pessoas de sucesso não gastam energia com algo que elas não podem controlar, pois sabem que as respostas estão dentro delas. A crise tem um alto potencial de transformar negócios. Somente crises profundas produzem mudanças profundas. O empreendedor não conseguiria ter aquela ideia valiosa, desenvolver aquele produto inovador se não fosse a situação fora do comum. O que não pode acontecer é desperdiçar essa oportunidade que estamos vivendo agora. Vai se dar bem quem tirar o melhor proveito desse período, pois é preciso ter em mente que eu não tenho como controlar o vírus, mas eu posso controlar como eu reajo aos efeitos dele no meu negócio”.

O especialista afirma que agora é o momento ideal para revolucionar negócios. “O empreendedor tem que sair da vitimização por conta dos estragos que a crise ocasionou no negócio dele. Muita gente está tomada pelo desânimo de ter que demitir ou até mesmo fechar a empresa. Quando entender que tudo o que acontece é para o nosso bem, conseguirá ter acesso à chave da diferenciação. Por isso, a palavra de ordem é adaptação. Se dará bem quem estiver perto do cliente, entender suas dores, suas novas demandas, oferecer produtos ou serviços alinhados a elas, mesmo que para isso tenha que sacrificar seu portfólio e começar tudo do zero. Não pode ter medo de fazer o que os outros não fazem. A solução não está no padrão do que todo mundo faz. A diferenciação está na cabeça dele e não somente na troca da embalagem de um produto ou serviço”.

“Diferenciação não é fazer diferente, é buscar a sua origem. A verdadeira inspiração é quando você escuta uma coisa que te lembra quem você nasceu para ser. Então, acredito que quando a gente encontra e tem clareza do que nasceu para fazer tudo o mais se torna preto e branco. O som some. Você tem visão de foco. Agora é isso: criar e liderar um movimento. Se entender que está defendendo um propósito e convocar pessoas que acreditam para poder fazer parte, é uma das maneiras mais poderosas de deixar um legado que dura mais do que a sua vida terrena. E você? Qual o movimento nasceu para liderar?”.

O que achou? Participe. Deixe seu comentário.